O que eu aprendi com 2015 – A vida sob uma nova perspectiva

 

Na maior parte da minha vida, em um intento ridículo de preservar relações e agradar as pessoas eu me tornei calada, tentei me manter neutra sobre muitas coisas, but here’s the real deal:

2015 sem dúvida foi meu pior (e melhor) ano. Não existe nada pior do que se sentir sozinho e foi assim que eu me senti o ano todo. Mas não estou escrevendo pra falar disso.

O que eu vi acontecer esse ano:

As pessoas falam de discurso de ódio. O tempo todo eu vejo isso, “Discurso de ódio”. Mas eu vou te dizer o que me da raiva. O que me causa ódio? Não são pessoas diferentes de mim (como tanto clamam ser a origem do ódio). A diferença é pra ser apreciada, não odiada. O que me dá muita raiva é essa visão polarizada que as pessoas teimam em ter com as cabeças de Hollywood delas. O vilão e o mocinho. O bom e o mau. Tão difícil enxergar que as pessoas são bem mais profundas que isso? Por que se tem essa necessidade tão grande de achar um vilão pra derrotar na vida? Todos somos vilão E mocinho. O único vilão que você tem que enfrentar é o seu lado ruim. O que muitos (lógico, eu também) morrem de medo de fazer. Admitir e encarar seu lado ruim é bem mais desconfortável do que simplesmente fingir que seus defeitos se limitam a “Ser um pouco mandão (mandona)”, “deixar toalha molhada na cama”, “Ser sincero(a) demais”. Eu saí da zona de conforto e fui encarar meus demônios e adivinha? No fim das contas é ótimo. A zona de conforto é bem menos confortável do que a gente pensa.

As pessoas falam de lutar contra isso, lutar conta aquilo. Ah,mas tal luta não é minha. Eu não tenho direito de lutar contra uma coisa que não sofro. Bela lógica, a não ser pelo fato de que segregar-se e separar-se JAMAIS deu força a alguém. Nas palavras de Charles Xavier “No dia em que nos limitarmos a lutar apenas pelos nossos, não haverá mais esperança para nenhum de nós”. Agregar, reunir… Lembra que em 2013 (acho) tava todo mundo junto protestando contra a corrupção e tal? Agora não tem mais protesto naquelas proporções porque as pessoas estão muito ocupadas lutando entre si. Pra que?
E mais… Você tem uma luta? Isso é ótimo. Só não deixe essa luta se tornar uma batalha pelo seu ego ao invés de sua causa.

Reparei também o tamanho da inveja nesse pais… Todo mundo tem inveja. Alguém não gosta da pessoa? É recalque, afinal, quem teria motivos pra não gostar de você né? Mas quando você não gosta de uma pessoa aí é diferente, porque você é a pessoa que nunca sentiu inveja. Ninguém ama todo mundo e ninguém é amado por todo mundo. Aceite isso! É libertador. Diferenças funcionam assim, algumas pessoas vão gostar, outras vão tolerar, outras não vão suportar. Nem todo mundo vai gostar de você e isso não significa que elas tenham inveja ou que você seja uma pessoa ruim.

As pessoas falam de paz no mundo. Eu adoro isso. A pessoa diz que ama a humanidade e quer a paz mundial. Mas se o vizinho passa com o carro no gramado a pessoa já xinga “Esse maldito, tomara que bata esse carro”. Aí diz que odeia aquele tio que faz piada com ele. Odeia seus pais. E como diabos você quer a paz no mundo? Ninguém ta pedindo pra você alimentar todos os famintos e curar todos os doentes, nenhuma pessoa na Terra vai fazer isso. Mas se realmente quiser ajudar o mundo a ter paz comece SENDO paz. Ninguém é obrigado a querer fazer mudança alguma, ninguém tem que ter vergonha de não se preocupar com a paz no mundo. Só acho que se queremos ajudar, comecemos por nós mesmos.

Eu fui forçada a questionar o sentido da vida esse ano. Pra mim foi um choque. Mas foi a melhor escolha que eu fiz. Porque isso me sarou de tudo! Me sarou de todos os meus fantasmas e eu não tenho mais medo de enfrentar meus defeitos e trabalhá-los. Auto-conhecimento é a melhor oportunidade pra se melhorar. Pra começar de novo. Eu descobri que perdi bem menos tempo do que achei que tinha perdido. Enfrentar quando eu fui egoísta, quando eu fui hipócrita, quando eu fui orgulhosa. Tudo isso me deu a chance de tentar ser mais altruísta, de ser mais honesta e de ser mais humilde. Admitir e encarar seu erro, seu defeito dói no ego, mas dá pra se desprender um pouquinho do ego. Deixar ele mais em segundo plano e aprender quem você é de verdade, o que você causa de verdade. Eu aprendi que não se pode mudar as pessoas mas as coisas em você que não mudam são aquelas que você não permite mudar.

2015 me deixou muito triste e me deixou muito feliz. Em 2015 eu renasci. Eu acordei. E eu quero que as pessoas acordem também. Por favor, vamos olhar para o que é importante de verdade na vida. Muitas pessoas vivem em uma ilusão, como eu vivia, com medo. Mas meu desejo para 2016 é que as pessoas prestem atenção no mundo que as rodeia e listem o que importa de verdade pra elas ao invés de ficarem entorpecidas com as luzes como os insetos fazem, batendo a cara na lâmpada até o ultimo dia, achando que aquilo é o melhor da vida que você jamais vai ter. A felicidade está ao alcance das mãos, só é preciso enxergar. Não deixe que ela dependa de algo que você pode perder. Busque as suas verdades e faça seu melhor. Espero que isso faça tão bem a você quanto fez a mim.

Anúncios

As 10 piores coisas para dizer a uma pessoa que sofre de depressão

Você está cansado de ouvir que depressão é uma condição clínica. E ninguém devia te culpar por não entender afinal você nunca esteve lá. Mas embora a intenção possa ser a melhor possível existem coisas que você precisa saber antes. Depressão não é o mesmo que tristeza. Independente do quão profunda sua tristeza seja. Se você esteve com qualquer outra doença, passou por momentos muito difíceis e sofreu como um cão, isso não faz de você necessáriamente uma pessoa que enfrentou depressão. Aqui vão as coisas que talvez você não entenda. Antes de tudo quero deixar claro que sei que essas frases na maioria das vezes sai na melhor das intenções.

1. “Você não está nem se esforçando”

Será mesmo? Você tem certeza que sabe pelo que a pessoa está passando? Digo, você está dentro dela? Você pode não saber mas aquela pessoa pode estar lutando todos os dias pra procurar um motivo. Levantar da cama pode ser um esforço colossal para alguém que não vê motivos nem pra estar viva.

2. “Você devia sair mais”

Ótimo, e no que isso ia ajudar mesmo? A me sentir mal? A olhar todo mundo se divertindo e se sentir patético por estar ali tentando algo que você nem acredita que é possível pra você?

3. “Você não tem motivos pra estar assim. Você tem pessoas que te amam, família. Existe muita gente pior que você que são felizes”

Ok, talvez porque essas pessoas não tenham depressão? Muitas pessoas que tem qualquer outro tipo de doença também são amadas e tem uma família amorosa e isso não as protege de contrair nenhum tipo de doença. Eu preciso de motivos pra ficar doente? Não sabia dessa.

4. “Você precisa ocupar sua mente” ou “Isso é falta do que fazer”

Não, minha mente está bem ocupada. Cheia de pensamentos tóxicos contra os quais eu batalho diariamente, obrigada pela preocupação. E bom, eu tentei agir como se ela não existisse e fazer alguma coisa. Ainda estou consertando as sequelas.

5. “Está tudo na sua cabeça”
Lógico. É um transtorno psiquiátrico. Eles geralmente ficam na cabeça.

6. “Ficar nessa cama não vai te ajudar”

Levantar dela também não vai. E você também não vai. E eu não vejo qualquer outra coisa que vá ajudar, então qual é o ponto?

7. “Por que você está deprimido?”

Porque será? Pq eu estou doente. Depressão é uma doença muito recorrente pra falar a verdade, talvez você devesse se informar melhor.

8. “Eu já passei por coisa muito pior. Eu fiquei doente/divorciei/meu hamster morreu e mesmo assim eu nunca deixei de sorrir, enfrentei tudo de cabeça erguida blablabla”

Ok, então você não teve depressão. Que bom pra você. Todo mundo já esteve triste. Todo mundo já teve momentos horríveis e ninguém tá diminuindo isso, mas a sua capacidade de lidar com isso com eficiência é a prova de que você não teve depressão. Ficar narrando como você passou por um momento muito pior do que o que a pessoa depressiva está passando na vida não faz o menor sentido porque, de novo, você não precisa de um motivo pra ter depressão. Esquece essa idéia!

9. “A felicidade é uma escolha, você precisa pensar positivo”

Sim, é muito fácil falar. Eu queria que fosse tão simples quanto você fala. Eu ja escolhi, quero ser feliz. Por que não começa?

10.”Todo mundo tem problemas”

Que não tem relação alguma com sua depressão. A depressão não é causada por problemas, ela é o problema. Todo mundo tem uma afirmação brilhante pra fazer, também. O que seria de mim se não fossem essas pessoas? Só não entendo o que o problema alheio tem a ver com a doença.
————————————
Depressão é uma doença e precisa de tratamento. Por favor, parem de trivializa-la. Se informar nunca machucou ninguém.

1795648_956954984336030_5033277247196101326_n

Como o ódio tem se mostrado presente

Eu tenho vergonha de admitir, por vezes, o que eu sinto pelas pessoas em geral é medo e repulsa. Mas não pelas pessoas como elas são. Mas por sua crueldade e discriminação. Por todo esse ódio que as joga umas contra as outras. Isso é nojento, sempre me dói como se fosse contra eu mesma.

O conceito de unidade é tão fora de moda por aqui. Perdoar e esquecer é antigo. Paz e amor é tão hippie e chato. Amar os outros como você ama a si mesmo é tão anos 70. Legal mesmo hoje em dia é lutar pela sua ideologia com todo o ódio, sendo individualista, excluindo da sua causa qualquer um diferente de você, legal é ser cegamente politicamente correto e facilmente ofendido (eu tenho medo de ofender alguém só de abrir a minha boca). Tudo hoje em dia é ofensivo. Mas ei humanidade, não há nada mais ofensivo do que a maneira como tratamos uns aos outros! “Ofensivo” não é sobre adjetivos e declarações ignorantes. Aquelas pessoas em sua própria ignorância… Adivinha o quê, o ódio não irá consertá-las!!!

Legal é ser um guerreiro da separação social, segregando e odiando. Compartilhando a ideia do que você odeia. Não, você não está tornando-os conscientes mais, você está nas ruas gritando palavras de ódio e dizendo coisas estúpidas e rudes pelo tumblr. Faze-los conscientes é quando você expõe a verdade, não quando você expõe o seu ódio escroto e se junta para dizimar as pessoas ignorantes!

Que tal compartilhar a ideia de que nós amamos ao invés de todo esse ódio? Vamos CURAR a ignorância ao invés de odiá-la? Não seria ótimo? Em vez de dirigir toda sua energia em odiar tanto. O que lhe causou dor foi o ódio, agora você odeia, e odeia e odeia e odeia tanto que não consegue ver um palmo na frente do nariz! Por favor, chega! O mundo tem ódio o bastante já. Pregar sobre isso não vai torná-los menos detestáveis.

Me culpe pelo que quiser, mas por favor, coloque a sua bela mente para trabalhar por si só apenas essa vez antes de ir compartilhar seu ódio com seus amigos odiosos.

A geração mais “mimimi” que já existiu (e você tem o desprazer de fazer parte dela)

O Maravilhoso Mundo de Anderson

geração imbecil

Você precisa de uma religião, de um lado político definido, você precisa mostrar preocupação social com qualquer pequena coisinha que acontece nesse mundo (ainda que você não se importe com ela). Você precisa se sensibilizar com a morte de cada ator e cantor famoso (ainda que você nunca tenha visto nenhum de seus filmes ou ouvido nenhuma de suas músicas e precisa se sensibilizar com todas as causas que estão espalhadas por aí.

Você precisa ter uma opinião a respeito da legalização da maconha, do casamento gay e da amamentação em locais públicos. Você precisa escolher entre Jean Willys e Malafaia, entre Luciana Genro e Bolsonaro, entre Dilma e Aécio. Você precisa ser da esquerda ou da direita. Você precisa se definir por tudo aquilo que o mundo quer que você seja.

Você precisa ter uma opinião sobre o feminismo e sobre o movimento LGBT. Você precisa dar sua opinião…

Ver o post original 382 mais palavras

Sua identidade

hello-my-name-is
Olá, meu nome é: Quem liga?

Você já parou pra pensar quem é você? O que você sente é o que você é. E o que você gosta vai junto com seus sentimentos. As pessoas gostam de estereótipos e da geração atual você provavelmente está acostumado com o “politicamente correto”. Qual é, pessoal, o que vocês estão tentando? Tornarem-se perfeitos? Ouça, não vai acontecer. Nós somos seres humanos. H-U-M-A-N-O-S, humanos. É sinônimo de “imperfeição”, “falho”. Qual é, seu livre arbítrio lhe dá o direito de fazer as coisas erradas e você realmente vai abrir mão disso? Agora, brincadeiras a parte, você tem que ter escrúpulo, é claro. Nós somos imperfeitos, mas não idiotas (a maioria de nós, eu acho?). Não há necessidade de sair por aí magoando as pessoas e sendo insensível a tudo.

O que eu estou tentando dizer é: por vezes, vamos tentar ser engraçados ou legais ou qualquer coisa (sem sucesso) e acabar machucando as crenças ou identidade de alguém, mas está tudo bem, contanto que não fosse sua intenção. Isso vai mais que certamente acontecer de volta pra você um dia. Você só precisa aprender com isso e estar consciente de que algo que pode parecer inocente para você pode machucar alguém. É pra esse tipo de coisa que servem as experiências. Precisamos tentar ser melhores, em vez de perfeitos, o que também significa “perdoar e esquecer”. Tomando um passo de cada vez. Você sempre tem a opção de ficar longe de quem não se importa o quanto está machucando você. Por outro lado, é fundamental aprender a rir de si mesmo e não ser facilmente ofendido.

E permita-me deixar bem claro,  você não precisa manter qualquer mentalidade para ter uma identidade. Você não tem que “pensar como as pessoas legais”. Você não tem que ser sequer coerente o tempo todo. Você não tem que ser sempre o orgulhoso ou sempre preso a um lema. Veja, eu não quero dizer ser hipócrita, mas permitir-se mudar sua mente e estar com a mente aberta para novos quadros de pensamento. As pessoas temem a mudança, mas você pode adorá-la em vez disso. A mudança é movimento, e eu acho que a maioria das pessoas não gostam de ficar estagnadas. Veja, nossa mente funciona de maneira engraçada e às vezes não faz sentido mesmo. Por exemplo, ninguém quer ficar velho, ninguém quer morrer jovem.

Quero dizer, por que você precisa seguir algum tipo? Por que você tem que ser sempre “Ai isso é tão eu”. Qual é a vantagem em ser previsível? Outros irão colocar etiquetas em você, mas você não precisa fazer isso para si mesmo. A menos que você goste, mas eu acho que as pessoas são mais profundas se eles não se limitam por estereótipos.

No final, eles vão dar um jeito de etiquetar você, pessoas realmente sentem a necessidade de usar etiquetas.

Mas claro, isso é um ponto de vista (sujeito a alterações). Sem verdades absolutas.

 

Sem verdades absolutas, sem opinião absoluta

“Eu apresento a partir de agora, para não perder o meu jeito afirmativo, este jeito que só tem a ver mediada e involuntariamente com a contradição e a crítica, as três tarefas em virtude das quais se precisa de educadores. Tem-se de aprender a ver, tem-se de aprender a pensar, tem-se de aprender a falar e escrever: o alvo em todas as três é uma cultura nobre. – Aprender a ver: acostumar os olhos à quietude, à paciência, a aguardar atentamente as coisas; protelar os juízos, aprender a circundar e envolver o caso singular por todos os lados. Esta é a primeira preparação para a espiritualidade: não reagir imediatamente a um estímulo, mas saber acolher os instintos que entravam e isolam. Aprender a ver, assim como eu o entendo, é quase isso que o modo de falar não-filosófico chama de a vontade forte: o essencial nisso é precisamente o fato de poder não “querer”, de poder suspender a decisão. Toda ação sem espiritualidade, bem como toda vulgaridade repousa sobre a incapacidade de sustentar uma oposição a um estímulo – o “precisa-se reagir” segue-se a cada impulso. Em muitos casos, uma tal necessidade já é prova de um caráter doentio, de decadência, de um sintoma de esgotamento. – Quase tudo que a rudeza não-filosófica denomina com o nome de “vício” é meramente aquela incapacidade fisiológica de não reagir. Uma aplicação do ter-aprendido-a-ver: à medida que nos tornamos um destes que aprende, nos tornamos em geral lentos, desconfiados e resistentes. Deixa-se inicialmente advir todo tipo de coisa estranha e nova com uma quietude hostil – se retirará a mão daí. O ter todas as portas abertas, o deitar de bruços submisso diante de todo e qualquer pequeno fato, o inserir-se e o lançar-se sempre pronto para o salto no diverso, em resumo a célebre ‘objetividade moderna’ é de mau gosto, é não-nobre par excellence.”

Essa é parte do capítulo 9 do crepúsculo dos ídolos, de Nietzche. Segundo esse ponto de vista não precisamos tomar partido de tudo o tempo todo automática e imediatamente. Temos o direito e o dever de bem refletir sobre nossa ideologia e é sensato abrir mão de seus antigos pensamentos quando você encontra algo que considera melhor. Manter a mente aberta é essencial pra sermos cada vez melhores e reconhecer nossos erros é o primeiro passo pra que isso aconteça. Não há nada de errado, por exemplo, com o homem de Deus que escolher a ciência e do cientista que se voltar a Deus. Sua mente é particular por um motivo. O direito de mudar a sua mentalidade é inerente. Como um grupo pode achar que tem autoridade sobre o seu pensamento e suas atitudes (ou de qualquer um que seja)? Sua alma nunca pertenceu a qualquer luta, ela é sua pra fazer o que quiser. Protestantes radicais estão levando a ideologia deles infantilmente como se tudo fosse uma guerra e as pessoas fossem obrigadas a escolher lados quando movimentos sociais supostamente deviam servir pra nos trazer equilíbrio e não essa guerra imbecil. Minha opinião? Com muito orgulho sento em cima do muro e me entretenho com as discussões imbecis e pequenas que vejo. Pessoas tentando defender seu EGO com a desculpa que estão defendendo sua ideologia.

Eu escolho o lado do bom senso, o lado dos que enxergam que tem coisas muito maiores pra serem conquistadas agora do que discussões de facebook. Essas pessoas que acalmem seus egos e tenham um pouco de humildade. Coisa que o amor nos permite fazer, ter humildade. A maior nobreza que um ser humano pode ter é ser humilde e altruísta. Muitas pessoas nem sabem do que estão falando, simplesmente se prendem em uma ideologia como se elas limitassem a sua identidade a esse estereótipo. Tentar caber em um estereótipo para achar uma identidade é tentar ter identidade não tendo uma. Identidade é sobre individualidade. Eu vejo em toda parte pessoas exibindo etiquetas com orgulho. “Feminista”, “Esquerda”, “Reaça”. Por favor, que ridículo. Pessoas são muito mais do que isso. Pois eles que usem as etiquetas que quiserem, não saiam empurrando as etiquetas deles pra cima dos outros.

Nós nascemos tão livres e então somos moldados para sermos estúpidos. Estúpido é aquele que se deixa moldar. Que deixa um estereótipo tomar conta de sua identidade. Que seguem a risca os arquétipos que preferirem. Ridículo, risível, digno de pena. Estou falando de uma massa. De pessoas que seguem a corrente, de pessoas que se limitam. Sob minha ótica vocês não devem fidelidade a ideologia nenhuma! Você deve fidelidade a si mesmo e aos que você ama. Você deve fidelidade a pessoas que quer por perto, não a uma ideologia ridícula que você nem mesmo se permite questionar, e aceita como um dogma colocando-a acima de todas as verdades. E que nunca fez merda nenhuma por você.  Quão melhor você é que um cristão fervoroso (se você o crítica) agora? Entrando nessa questão, deixa eu dar um toque. Como seres humanos ninguém aqui é melhor que ninguém, estamos em posição de igualdade. Tentar se considerar melhor é alimentar seu ego, algo que vai lhe tornar um inútil para a humanidade e para seu próprio crescimento pessoal. Comece a questionar seus pensamentos, comece a questionar todas as informações que recebe, inclusive o que você está lendo agora. Não confie em nenhuma informação sem escrutinar ela com a sua própria mente antes. Pare de tirar suas filosofias da cabeça dos outros, pare pra pensar o que quer dizer cada palavra que você solta. Tente ficar uma semana sem usar jargões e palavras de efeito.

Entenda que a sua existência causa SIM efeitos e entenda que o efeito que você está causando pode ser vergonhoso.

Expanda essa cabeça e veja a situação de fora, veja o plano maior, veja o entorno, não só onde está o foco.

Todos querendo discutir quem tem a melhor ideologia, quem é mais inteligente, quem é o melhor político. Por favor, parem. Eles valem toda essa luta mesmo? Todos podem trabalhar juntos em prol de algo maior ao invés de ficar correndo atrás do seu ego como um cão corre atrás da própria cauda. Deixe seu ego de lado, aprenda a rir de si mesmo, seja humilde pra admitir suas falhas, só assim você pode ser melhor. O único ato prático e real que podemos fazer pra melhorar o mundo é melhorarmos a nós mesmos.

Mas claro, isso é um ponto de vista. Sem verdades absolutas.

 

download
“Você e seu ego”